As vezes você se faz essa pergunta. Para não ser pego de surpresa, veja o que esperar do lugar para onde você está indo.

Archive for : dezembro, 2012

Tudo gira em torno do turismo em Foz do Iguaçu

Foz do Iguaçu, uma cidade pequena, localizada na tríplice fronteira do Brasil com o Paraguai e com a Argentina.
Vamos mostrar um pouco de cada um dos seus pontos turísticos e dos atrativos da cidade, e o porque deste ser um dos destinos turísticos obrigatório para quem adora viajar.

O primeiro, e talvez o mais importante, é o Parque Nacional do Iguaçu, onde estão localizadas as Cataratas do Iguaçu, uma das riquezas naturais mais belas do Brasil.
www.cataratasdoiguacu.com.br

Portaria do Parque Nacional do Iguaçu

O caminho para conhecer as Cataratas é feito através de trilhas e mirantes, de onde você vê as quedas e chega muito perto da água. É possível também fazer passeios de barco em meio às quedas, e de helicóptero, sobrevoando toda a área das Cataratas. Além disso, o Parque Nacional do Iguaçu oferece outras atividades de ecoaventura, como trilhas, arvorismo, rapel, rafting e escalada em rocha.

Cataratas do Iguaçu

Cataratas do Iguaçu

Cataratas do Iguaçu

Cataratas do Iguaçu

* Leia mais nos posts sobre as Cataratas do Iguaçu (lado brasileiro e lado argentino).

 

Próximo ao Parque Nacional, fica o Parque das Aves, um lugar que abriga as mais diferentes espécies de aves em seus habitats naturais.
www.parquedasaves.com.br

Parque das Aves

Outro impulsionador do turismo na cidade é a Usina de Itaipu, a maior hidrelétrica do mundo em produção de energia. Um passeio imperdível!
www.itaipu.gov.br

Usina Hidrelétrica de Itaipu

Usina Hidrelétrica de Itaipu

Existem alguns pacotes de visitação para a hidrelétrica, e você pode comprar antecipado, pela internet, e já agendar seu passeio. Você vai conhecer a história da Binacional, visitar as instalações internas, ver o funcionamento das turbinas, e  também pode assistir à Iluminação da Barragem, um espetáculo que mistura luzes e música.

 E por último, tem o Marco das Três Fronteiras, divisa do Brasil com o Paraguai e a Argentina, de onde se vê os três marcos simultaneamente e o encontro dos rios Iguaçu e Paraná.

Marco das Três Fronteiras

Marco Brasileiro

E depois de tudo isso, ainda dá para dar um pulo no Paraguai e fazer umas comprinhas!!!

 

Cataratas do iguaçu – lado argentino

Depois de conhecer o lado brasileiro, é hora de ver as quedas de perto! No lado argentino, a sensação é de estar dentro da água… Mas vamos por partes…

Primeiro, decidimos que iríamos alugar um carro para ir até Puerto Iguazu. Então fomos de carro atravessar a fronteira. Para passar, é preciso apresentar passaporte válido, ou carteira de identidade em bom estado e com menos de 10 anos de emissão.

No caminho passamos pelo Duty free, mas como ele fica aberto até 21h, decidimos parar na volta e aproveitar mais os passeios no parque, que fecha ás 17h (na Argentina, 18h no Brasil).

A entrada no parque custa, para brasileiros, 70 pesos por pessoa. Eles só aceitam pesos, não adianta tentar pagar com outra moeda. O estacionamento, 24 pesos.

Logo na entrada tem um centro de turismo, e um espaço de exposições. Lá conseguimos um mapa do parque, e informações sobre os passeios. Como na lado brasileiro, existem muitas opções de trilhas e passeios de barco.

Decidimos primeiro fazer a trilha para a Garganta do Diabo, que era a maior. Um trem faz a maior parte do percurso, saindo em intervalos de 30 minutos da estação central. Tudo muito sinalizado, e informando o tempo para a próxima partida.

Descemos na estação final, e pegamos uma passarela, com 2080m, que passa por cima do rio, que leva direto à Gartanta do Diabo.

 (foto)

Depois de muita foto e muita água, resolvemos fazer a trilha superior, que passa bem perto das quedas, por cima delas. A visão vai ficando cada vez mais linda, e a vontade é de conhecer o parque inteiro. O caminho é todo sinalizado, feito por passarelas, e tem vários mirantes, de onde é possível observar cada queda mais de perto. Já estávamos cansados, mas lá de cima dava pra ver a trilha inferior, que passa quase em baixo da queda. Não resistimos, um último fôlego e resolvemos andar por lá também. E vale muito a pena, pois a gente viu as quedas de baixo, quase de dentro.Esse caminho tem mais rampas e escadas, mas é bem fácil de andar. O mapa ajuda bastante e vai informando os próximos mirantes.

Ainda tinha o passeio de barco, mas esse não deu tempo de fazer. Por isso o ideal é visitar o parque em 2 dias, e você paga a segunda entrada com desconto.

Um passeio incrível, paisagem deslumbrante e a sensação de fazer parte da natureza. Imperdível!

Três dias para conhecer a cidade das três fronteiras

Chegamos à Foz do Iguaçu em uma quarta-feira, já a tarde. O hotel em que ficamos é o Águas do Iguaçu, e oferecia serviço de traslado, então já tinha um carro nos esperando no aeroporto quando desembarcamos. É uma facilidade enorme, se puder, tente contratar isso com o seu hotel antes de sair da sua cidade.

Escolhemos esse hotel também porque fica muito próximo ao Terminal Rodoviário, o que facilita o nosso deslocamento dentro da cidade. Deixamos as malas e já fomos direto conhecer as Cataratas do Iguaçu!

Para ir às Cataratas do lado brasileiro basta pegar um ônibus no Terminal Rodoviário. Você paga a passagem na bilheteria, antes de entrar no terminal, no valor de R$ 2,65. Lá mesmo eles te informam o número da linha que vai até a portaria do Parque. Pagamos a entrada no parque, R$28,30 por pessoa, e pegamos um outro ônibus, de graça, que levava até as cataratas.

 

Entrada do Parque Nacional do Iguaçu

 

Entrada do Parque Nacional do Iguaçu

 

Ônibus que leva da portaria às Cataratas

 

O Parque é cheio de caminhos e mirantes, de onde conseguimos ver toda a beleza das quedas, que ficam principalmente no lado Argentino. No final, tem uma queda muito próxima, e todo mundo acaba molhado. Se preferir, pode comprar uma capa de chuva, no próprio parque vende, custa R$5,00. Mas vale a emoção de sentir a força da água, e todo mundo acaba se divertindo.

Cataratas do Iguaçu

Cataratas do Iguaçu

 

Cataratas do Iguaçu

 

Cataratas do Iguaçu

 

Ainda tem um elevador, que sobre 3 níveis, e dá uma outra visão do complexo de águas.

 

Cataratas do Iguaçu

 

Cataratas do Iguaçu

 

O Parque funciona até as 18h, então só fizemos a trilha principal. Mas já deu pra ver bastante!

 

No outro dia, queríamos conhecer as Cataratas do lado argentino. Para ir de ônibus é mais complicado, tem que descer na Polícia Federal, é demorado, então resolvemos ir de carro. Alugamos um carro na Localiza, e tivemos algumas surpresas, então temos algumas dicas. Primeiro, para locar um carro, mesmo que não saia caro, você tem que ter um cartão de crédito com limite alto. Isso porque eles passam uma pré-autorização, no valor de R$ 1500,00. Esse valor é cancelado no momento em que você devolve o carro.

Além disso, é necessário um outro tipo de autorização, um seguro internacional válido no Cone Sul, para andar com o carro na Argentina. Nós só soubemos disso na locadora, e esse seguro demora 24h para ficar pronto, então fomos sem, morrendo de medo de sermos pegos pela polícia Argentina, mas no final deu tudo certo.

A estrada é muito boa, e no caminho fica o Duty Free, parada obrigatória! Como ele fica aberto até 21h, decidimos ir primeiro ao Parque, e passar no Duty Free na volta. Na estrada também tem os Cassinos, mas dessa vez não entramos em nenhum.

No parque não é permitido circular de carro, então deixamos no estacionamento. Lá só é aceito pesos, então é preciso levar o dinheiro trocado. Pagamos $70,00 a entrada por pessoa, $24,00 de estacionamento e $15,00 a garrafa de água.

Logo na entrada existe um posto de atendimento ao turista, onde eles te explicam como andar no parque, os roteiros, e dão um mapa.

(foto do mapa)

O ideal é visitar o parque em 2 dias, por isso você paga a entrada do segundo dia com desconto, Se informe na portaria como funciona.

Na volta pra casa, passamos no Duty Free e claro, fizemos umas comprinhas!

No outro dia, antes de devolver o carro, fomos até o Marco das Três Fronteiras. Lá estava bem vazio e descuidado, mas é muito interessante ver o rio dividindo os países, e em cada parte de terra, um marco com as cores representando o território.

Devolvemos o carro e fomos para Ciudad del Este. As locadoras não autorizam a viagem de carro até o Paraguai, por medo de furtos e por não ser seguro. Mas é muito fácil ir de onibus, ou taxi, e acabamos pegando um onibus mesmo e indo até lá.

Ciudad del Este não é uma cidade bonita. Simplemente é boa para compras, porque tudo lá é muito barato. Na fronteira, é permitido passar com mercadorias no valor total de U$$500,00 por pessoa, mas muita gente tenta passar com valores mais altos. Pode tentar, mas tem que dar sorte de não ser pego pelos fiscais na Aduana.

A saída da cidade foi um caos, os policiais paraguaios fecharam a Aduana e ningém passva. Iamos voltar de taxi para Foz, mas tivemos que atravessar a ponte da Amizade a pé e pegar o taxi do outro lado, porque simplesmente não se passava pela fronteira. Perigoso e estranho, mas acabou dando tudo certo.

Mais tarde ainda fizemos o passeio em Itaipu, a grande Hidroeletrica Binacional. Existem vários tipos de passeio, e você pode comprar os ingressos antecipados.

http://www.itaipu.gov.br/turismo-capa

E a noite, como não poderia faltar, fomos conhecer uma churrascaria tipicamente gaúcha. Muito boa!

Tres dias corridos e muito bem aproveitados. Viagem inesquecível e super indicada!

 

Cataratas do Iguaçu – lado brasileiro

Ahhhh, as Cataratas!! Sem dúvida um dos lugares mais bonitos que já visitamos.

As Cataratas são divididas em duas partes, o lado brasileiro, que fica dentro do Parque Nacional do Igaçu, e o lado argentino. Cada lado com sua particularidade, por isso é tão importante conhecer os dois.

Visitamos primeiro o lado brasileiro, que é menor.
O parque não fica muito próximo ao centro da cidade, mas tem um onibus que sai do terminal rodoviário que te deixa na porta.

Pagamos R424,30 por pessoa para entrar no Parque. Logo na central de visitantes tem os onibus, que saem em intervalos regulares, e levam para o começo das trilhas.

Lá dentro você pode escolher entre vários passeios, trilhas, barco, e ecoaventura. Nós chegamos tarde, então fizemos apenas a trilha que leva à passarela da Garganta do Diabo, a maior e mais deslumbrante das quedas. O passeio pelha trilha proporciona uma visão de diferentes ângulos das Cataratas, e existem mirantes, que permitem um olhar mais próximo de algumas das quedas. O vento estava tão forte que mesmo ainda longe das águas, acabamos molhados. Por isso, se não quiser se molhar, leve capa de chuva, ou adiquira uma no parque, custa R$5,00.

No final dessa trilha, que tem 1200m, encontramos a passarela que leva ao meio do rio, de frente com a grande queda. E o elevador panorâmico, que te leva acima da queda, de onde observamos toda a magnitude do complexo das Cataratas.

Todo o caminho é sinalizado, e o parque é todo estruturado, com vários banheiros, lanchonetes, restaurante e lojinhas.

Fique atento ao horário de fechamento do parque, o ônibus que leva de volta à portaria tem um último horário de embarque, se você perder, terá que descer todo o caminho a pé. Beba bastante água, use um calçado apropriado e roupas confortáveis, para aproveitar melhor o passeio.