As vezes você se faz essa pergunta. Para não ser pego de surpresa, veja o que esperar do lugar para onde você está indo.

Archive for : julho, 2013

Carrancas – MG

Carrancas é uma cidadezinha do Sul de Minas, à 4h de Belo Horizonte, e que  faz parte do Circuito das Pedras. É cercada de montanhas, grutas, rios e cachoeiras.

Fomos à cidade 2 vezes em 2013. Na primeira vez choveu muito, e fez bastante frio. Aí não conseguimos aproveitar tanto. Da segunda vez tinha sol, aí conseguimos conhecer mais cachoeiras e até nadar!

A cidade mesmo é pequena, tipicamente do interior. Tem uma praça central, com a Igreja, e as casas em volta. Algumas pousadas e restaurantes não funcionam durante a semana, então é melhor já ir com pousada reservada. Outro fato importante, lá a maioria dos estabelecimentos não aceita cartão, nem crédito, nem débito, e só tem Banco do Brasil e Bradesco, então leve dinheiro! Sinal de celular também não pega bem, o melhor é o da Tim.

 

Matriz N. Sra. da Conceição das Carrancas

 

Matriz N. Sra. da Conceição das Carrancas

 

Matriz N. Sra. da Conceição das Carrancas

 

A maioria das pousadas e cachoeiras fica fora do centro da cidade, e é preciso pegar estrada de terra para chegar até elas.

Da primeira vez, fomos sem reservar pousada, mas escolhemos uma pela internet. Para nossa surpresa, descobrimos que a pousada só abria na sexta-feira, e portanto, tivemos que procurar outra. Nos indicaram a Pousada Céu e Serra, e optamos por ficar lá. É uma pousada bem bonita e tranquila. Fica perto de algumas cachoeiras, e possui uma gruta em sua propriedade.

http://www.pousadaceueserra.com.br

 

Gruta

 

Gruta

 

Da segunda vez, ficamos na Pousada Mirante da Serra Verde. Um pouco mais longe da cidade, fica em um ponto muito alto, e temos uma visão de quase 360º da região montanhosa que cerca a cidade.

http://www.pousadamiranteserraverde.com.br

 

Vista da pousada

 

Antes de tudo, algumas dicas. Já falei do dinheiro, né. Leve dinheiro mesmo, a maioria dos restaurantes são um pouco caros, e algumas cachoeiras, que ficam em propriedades particulares, cobram para entrar. Leve roupas frescas, porque para chegar nas cachoeiras é preciso caminhar, então quanto mais confortável você estiver, melhor. Por causa do sol, não esqueça o protetor solar e principalmente a água. Leve comida, biscoitos, bolinhos, barra de cereal, mini-sanduíches, suco. Se você for ficar o dia inteiro vai precisar comer. E leve roupas de frio. A noite o vento é muito forte, e o frio, intenso. Dependendo da época que você for, leve luvas e meias para aguentar as baixas temperaturas. E faça uma boa revisão no carro, pois as estradas são todas de terra, então não corra o risco de ficar parado no meio do nada!

A cidade tem um centro de turismo, com guias que fazem os passeios. Sem o guia é possível conhecer algumas cachoeiras, mas no total são 80 quedas, e na grande maioria só dá para chegar com ajuda do guia mesmo.

A primeira cachoeira que visitamos é a Cachoeira da Toca. Fica antes da ponte que leva à cidade, à direita. Dá para andar um pouco de carro, e depois o resto do caminho é a pé. Essa é uma cachoeira paga, são 3 reais por pessoa. Como fomos em dia de semana, não havia ninguém para fazer a cobrança, então não pagamos entrada em nenhuma, mas é bom ir preparado. Tem um restaurante próximo, que para chegar, é preciso atravessar uma ponte bem rústica.

 

Ponte que leva ao Restaurante

 

Cachoeira da Toca

 

Cachoeira da Toca

 

Como tinha chovido, a agua estava um pouco turva.

Ficamos lá até encontrar uma aranha enorme, e depois do susto, resolvemos ir embora.

 

Cachoeira da Toca


No dia seguinte, fomos fazer o roteiro da Fumaça. É preciso sair da cidade, pegar uma estrada de terra e seguir até a placa, depois são mais 2 km de estradinha e 5 min de caminhada. A cachoeira da fumaça é linda, volumosa, tipo uma prainha, cercada de areia. Depois que nadamos até, descobrimos que não é recomendado nadar lá, pois uma parte do esgoto da cidade cai naquela água. Não percebemos nada, a água não tinha cheiro e não estava muito suja. Era um pouco turva, mas tinha chovido na noite anterior, então achamos que era por isso. Grande decepção, ninguém avisou que não podia entrar, nem o guia e nem a moça da pousada, que indicaram a cachoeira e o caminho para nós. No lugar também não havia placas avisando do risco, então se não tivessem falado com a gente depois, nunca saberíamos. Até hoje não tivemos nenhuma reação, então acho que está tranquilo. Mas desaconselhamos, pois a sensação de saber que nadou no esgoto não é nada boa… Os moradores afirmam que não há problemas, e que várias pessoas nadam lá.

 

Cachoeira da Fumaça

 

Cachoeira da Fumaça

 

Cachoeira da Fumaça

 

Depois fomos até a cachoeira Esmeralda, que fica na continuação da estrada de terra. Mais uma vez, tem um a placa indicando a entrada. Essa também é uma cachoeira paga. Para chegar é preciso caminhar mais, mas vale a pena porque é cachoeira é linda. Antes tem um poço bem bonito, e uns cachorrinhos, que guiam a gente até a água e entram nela.

A queda principal é linda, a água mais quente que a gente entrou. Chama Esmeralda porque a água é verdinha. Uma parte é bem funda, mas é ótima para banho.

 

Poço Esmeralda

 

Poço Esmeralda

 

Cachoeira Esmeralda

 

Cachoeira Esmeralda

 

Na volta descobrimos uma senhora que faz almoço na cidade. Ela cobra 10 reais pela comida, que serve na casa dela mesmo e você come o quanto quiser. Ou pode levar um marmitex, por 7 reais. Como os restaurantes são meio caros, vale muito a pena, comidinha caseira e feita na hora. Chama Cantina da Du, fica em uma rua paralela à rua da frente da igreja, na porta tem uma placa escrito VENDE GELO. Se não encontrar, procure pela casa da Dulcineia.

A ultima cachoeira que visitamos é a Cachoeira do Moinho. A entrada fica na mesma direção que a entrada para a Cachoeira da Toca, antes da ponte que leva à cidade, só que à esquerda. Mais uma vez anda-se um pouco de carro, deixa no estacionamento de um bar, e depois o resto do caminho é a pé. A cachoeira é pequena, mas é linda, e tem um poço antes, onde é possível nadar mais tranquilamente. Tem muitas árvores em volta, uma sombra muito boa, e deu pra curtir bastante nossos últimos momentos na cidade.

 

Cachoeira do Moinho

 

Cachoeira do Moinho

 

Resumindo, uma região linda, onde o encontro com a natureza acontece a todo momento, nas águas, na vegetação, nas montanhas e nos animais. Vimos muitos cães, muitas borboletas e insetos. As pessoas são super simpáticas e prestativas. Enfim, um destino ótimo para quem quer uns dias de descanso e lazer.

 

Cacheira Esmeralda

 

Cachoeira do Moinho

 

Cachoeira do Moinho